Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Publieditorial

Como um fonoaudiólogo pode ajudar nas escutas de investigação criminal

3 jul 2021 | Poder

Por Redação

O fonoaudiólogo e perito judicial Mateus Melo detalha a atuação profissional na área da justiça criminal. (Foto: Arquivo pessoal)

Hospitais e clínicas especializadas são os ambientes mais comuns de encontrarmos profissionais da Fonoaudiologia, mas você já imaginou um deles trabalhando em uma investigação criminal? Segundo o fonoaudiólogo e perito judicial Mateus Melo, 26, os profissionais dessa área são solicitados para trabalhar em casos de identificação de falantes, quando a voz do indivíduo foi confrontada com gravações telefônicas em diversos crimes que vão desde extorsão a abusos. 

LEIA MAIS >> Como atua uma engenheira de produção, profissional que antecipa soluções para problemas em todas as áreas do negócio

Quem veste os jornalistas da televisão? Conheça a produção de moda nos bastidores de uma redação

“Para trabalhar, utilizamos softwares e conhecimentos técnicos-metodológicos da área, que aprendemos durante a graduação”, detalha o profissional, que se formou em Fonoaudiologia na Universidade de Fortaleza (Unifor), em 2016. “Através das nossas análises, fazemos perícias que identificam a voz de sujeitos em gravação ambiente, gravação telefônica e tantas outras contribuições”, pontua. 

De acordo com Mateus, além da perícia, as principais áreas de atuação dos profissionais da área da Fonoaudiologia são audiologia, atendendo pacientes com queixas auditivas e de tontura; e voz, trabalhando com pacientes que apresentam algum distúrbio vocal ou para aperfeiçoar a comunicação oral. 

Na linha de frente do combate à pandemia, os fonoaudiólogos estão atuando em Unidades de Terapia Intensivas (UTI), assim como na reabilitação dos pacientes. “Muitos deles possuem sequelas da Covid-19, o que afeta ouvido, respiração, deglutição e voz, por isso atuamos nesses segmentos”, destaca. 

Já a média salarial do fonoaudiólogo, revela, depende bastante de cada profissional. “O mínimo que se ganha é em torno de R$ 2.500 para 20 horas semanais. O que acontece é que somos profissionais autônomos, então podemos precificar nosso trabalho conforme a especialidade e experiência profissional”, afirma. Entretanto, também existem profissionais que optam pela carreira pública, pontua.

Inspiração familiar

Atualmente, além de se dedicar à área criminal, Mateus está concluindo o mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará (Uece), e atua nas clínicas Otos e Otomédica. Ele conta que entrou na faculdade e se interessou pela área após uma adversidade na família: a própria mãe, dona Liana, tinha perda auditiva nos dois ouvidos. “Sempre gostei de entender sobre as possibilidades de tratamento para o caso dela. Como também adoro cantar, via alguns artistas na TV, cantores que faziam o tratamento com fonoaudiólogos e tinham vozes com maior potência, afinação, tudo isso”, lembra.

Para ele, a área é fascinante por lidar com a comunicação humana. (Foto: Reprodução/Instagram)

De acordo com Mateus, existe um senso comum de que quem está na área só trabalha com crianças com dificuldade de fala ou com transtorno de desenvolvimento. “Vai muito além disso. Atuo realizando exames em pessoas com sintomas auditivos, com tontura, quadros de vertigem ou um desequilíbrio corporal. Mas, também, auxílio um profissional que utiliza a voz no seu trabalho e apresenta uma rouquidão frequente que pode prejudicar o desempenho laboral”, detalha. 

Para quem quer seguir na área, ele destaca que é apaixonante, uma vez que os profissionais lidam com a comunicação das pessoas. “A comunicação transforma nossas vidas, reflete e conta nossa história. Oriento sempre a estudar, buscar aplicar as práticas clínicas baseado nas evidências científicas. Pode ser clichê, mas faça o diferencial! Com certeza, garantirá seu sucesso profissional”, aponta. 

Assim como Mateus Melo, você pode realizar o sonho da graduação na Universidade de Fortaleza (Unifor), uma das três melhores do Brasil entre as universidades com menos de 50 anos, segundo o ranking da Times Higher Education.

Para o semestre 2021.2, a Unifor oferta cursos presenciais, semipresenciais e EAD. Além disso, a Universidade está com bolsas de até 50% disponíveis para diversos públicos, desde graduados, transferidos e oriundos do Enem, e descontos para quem quer estudar à noite ou reabrir a matrícula. Você pode pagar sua formação superior na Unifor com Fies ou com o financiamento próprio da instituição. Clique para saber mais

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE