Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Normanda Morais é nova afiliada da Academia Brasileira de Ciências

4 maio 2021 | Poder

Por Redação

Normanda é uma das duas mulheres indicadas pela região Nordeste como novas afiliadas da entidade (Foto: Divulgação/Ares Soares)

A psicóloga Normanda Araújo de Morais, docente da Universidade de Fortaleza (Unifor), foi empossada como membro afiliada da Academia Brasileira de Ciências (ABC), na última segunda-feira (3). Ela é uma das duas mulheres indicadas pela região Nordeste como novas afiliadas da entidade.

LEIA MAIS >> Mulheres na Ciência: Normanda Morais estuda a resiliência dos indivíduos em situação vulnerável

Conheça Paola Tôrres, a médica que assumiu lugar na Academia Brasileira de Literatura de Cordel

Natural do Piauí, a professora adotou Fortaleza como casa há dez anos e coordena o Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Unifor (PPGP) desde então. Atualmente, trabalhando em um projeto de pesquisa sobre resiliência de famílias no contexto da pandemia de Covid-19, ela destaca o sentimento de honra que é fazer parte da Academia. “Esse prêmio para mim é um reconhecimento importante de um trabalho que venho tentando realizar com o grupo de pesquisa Lesplexos que coordeno no PPGP”.

“Tem sido um trabalho árduo, mas sobretudo de muito compromisso e dedicação, pois amamos o que fazemos. Fico especialmente feliz pelo fato de ser uma mulher, docente de uma instituição privada do Nordeste brasileiro e da área da Psicologia, perfil que não é muito frequente na Academia Brasileira de Ciências, ainda muito tomada por pesquisadores homens, sobretudo oriundos das ciências exatas e biomédicas”,

comenta Normanda Morais.

Normanda ainda ressalta a discussão necessária sobre a inequidade regional e de gênero que tende a se fazer presente no ambiente acadêmico. “Tenho consciência que não cheguei aqui por acaso, mas pela luta de muitas mulheres-cientistas que me antecederam e desejo que outras meninas/mulheres/pesquisadoras possam cada vez mais acessar esses espaços, que tradicionalmente têm sido ocupado por homens. A desigualdade de gênero na ciência é real e, como tal, deve ser combatida, com consciência da sua existência e políticas concretas afirmativas”, afirma.

Valorização da ciência

A categoria de membros afiliados da Academia Brasileira de Ciências é formada por jovens pesquisadores e com trajetória de excelência em linhas de pesquisa. As atividades abrangem a realização de seminários e workshops, nacionais e internacionais, e a produção de documentos. Além disso, os membros acompanham as principais ações dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário relacionadas à ciência e inovação.

Sobre a atuação na Academia, a psicóloga afirma que aproveitará as oportunidades de intercâmbio proporcionadas pela entidade. “Me coloco também à disposição para contribuir junto à Academia, seja com o conhecimento específico que possuo na minha área de atuação, seja pensando e desenvolvendo ações para valorização da ciência, pensando a política científica e o desenvolvimento de uma ciência mais inclusiva e com menos desigualdade de gênero”.

No dia 01 de junho, às 16h, a professora apresentará a sua área de pesquisa no Simpósio Científico da Academia. O evento reúne membros recém-eleitos, que apresentam pesquisas e têm a oportunidade de participar de um debate acerca delas.

Publicidade

VEJA TAMBÉM

Publicidade

PUBLICIDADE