Márcia Travessoni – Eventos, Lifestyle, Moda, Viagens e mais

Entre em contato conosco!

Anuncie no site!

Comercial:

comercial@marciatravessoni.com.br
Telefone: +55 (85) 3242 0333

Redação:

conteudo@marciatravessoni.com.br
conteudo1@marciatravessoni.com.br

Imaculada Gordiano fala sobre empoderamento feminino no mercado de trabalho

10 mar 2021 | Poder

Por Cintia Martins

Elas estão em maioria na linha de frente contra a Covid-19 e são apontadas como líderes na gestão da atual crise econômica e sanitária, a exemplo de Angela Merkel e Jacinda Ardern. Além disso, as mulheres tiveram que se reinventar na pandemia e assumir mais uma vez as rédeas da própria vida e dos negócios, como Imaculada Gordiano, advogada e empresária reconhecida pelo pioneirismo em ser uma mulher liderando o próprio escritório de advocacia.

Não há uma palavra que possa explicar o todo que representa a mulher. Não é simples e nem objetivo. Dessa forma, em alusão ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, o Site MT elegeu seis conceitos e convidou seis mulheres para explicar o que cada um deles representa e, assim, destacar as conquistas e causas femininas. Imaculada Gordiano fala de empoderamento.

LEIA MAIS >> Duda Riedel compartilha o que aprendeu sobre sororidade

Yara Canta define beleza plural e conta como foi o processo para se sentir bonita

Rafaela Otoch se inspira em Santa Teresinha para cuidar de si e do próximo 

Durante a pandemia, conta a advogada, ela se viu em mais um grande desafio: liderar de casa os advogados que compõem seu escritório. Dessa vez, revela, foi preciso criar uma cultura de trabalho pouco comum no Ceará. “Houve uma alteração da estrutura física, uma vez que não estávamos mais no escritório, mas também estrutura emocional. A sensação é que 2020 não terminou, estamos em um mesmo nível de cobrança, zero zona de conforto”, relata. 

Imaculada Gordiano tem a própria mãe, Olga Gordiano, como grande referência de empoderamento feminino. (Foto: Marília Camelo)

“O empoderamento por si só traz a liderança que para esse momento [pandêmico] é essencial. E a autoliderança, que tem tudo a ver com empoderamento, traz mais disciplina durante o home office, ou seja, autoliderança e autodisciplina também são essenciais. Ser uma mulher empoderada sem autoliderança e a habilidade de liderar é muito difícil, principalmente para trabalhar com pessoas que precisam de um líder”, destaca.

Imaculada defende ainda que para ser uma mulher empoderada não existe uma regra, mas um princípio é necessário. “A base é a autoliderança, se você não se auto liderar, não será uma empoderada, uma vez que requer disciplina e autoconhecimento”.

Referências 

Filha de Olga Gordiano, uma professora e musicista, Imaculada tem a própria mãe como maior referência de mulher empoderada. “Ela casou com meu pai, um agricultor que não tinha o mesmo nível de intelectualidade, e teve dez filhos, mas não parou de trabalhar um dia”, conta.

Imaculada vê, na própria personalidade, um grande espelho da mãe. “Lá em casa não existia patriarcado, quem mandava era ela, o que existia era matriarcado! Foi uma das figuras que mais aprendi na vida”, diz. 

A advogada aponta como outro exemplo de uma grande líder a primeira-ministra britânica Margaret Thatcher, que foi a primeira mulher no cargo e liderou a nação por 11 anos. “Acompanhei um pouco da carreira política dela, e para mim é um exemplo de empoderamento por, além de enfrentar muitos homens, enfrentar o machismo da família real”, aponta.

Além de comandar o escritório Imaculada Gordiano Sociedade de Advogados, ela também é membro do Grupo Mulheres do Brasil. (Foto: Marília Camelo)

A atual chanceler alemã Angela Merkel é listada como outra grande inspiração para Imaculada Gordiano. “São papéis importantes para a sociedade, mas normalmente são ocupados por homens. Por isso, as mulheres precisam ser empoderadas, uma vez que lidam muito mais com o sexo masculino, e precisam de uma forma ou de outra liderar essas pessoas”, destaca. 

Membro do Grupo Mulheres do Brasil, a advogada destaca a presidente do grupo e empresária Luiza Helena Trajano como um grande exemplo de liderança no mundo dos negócios. “É uma mulher que tem se colocado sem medo, portanto, vejo nela um grande exemplo profissionalmente que tem liderado o seu setor de atuação”.

Ela destaca ainda a atuação da cearense Aline Telles, diretora da Naturágua e da Santelisa, empresas do Grupo Telles. “É uma mulher de uma família de poucos homens, mas de muitas mulheres. Ela assumiu esse papel de liderança por sua autoliderança, autoconhecimento e um empoderamento muito simples, marca da própria personalidade”. 

LEIA TAMBÉM >> O que celebramos no Dia da Mulher e o que queremos conquistar

Cinco livros sobre mulheres escritos por mulheres

Rede de apoio

De acordo com Imaculada, para fomentar o empoderamento, assim como a igualdade de gênero no ambiente de trabalho, é preciso deixar valores bem claros através de ações. “A gente sempre procura dar a mulher advogada, desde que esteja preparada profissionalmente e tenha as habilidades exigidas, uma oportunidade em que ela possa desenvolver a própria liderança e vislumbrar dentro do nosso escritório um crescimento de carreira. Isto é empoderamento feminino”, enfatiza. 

Essa conquista da autonomia das mulheres, liberdade e maior presença no mercado de trabalho, pontua a advogada, está alinhada a várias outras habilidades que precisam ser desenvolvidas. “Na minha profissão o conhecimento é a base do empoderamento até para ter a liderança necessária para enfrentar uma reunião, uma audiência, bem como conversar com clientes passando segurança”.

A advogada aponta pouca presença feminina em espaços de governada corporativa. (Foto: Marília Camelo)

Apesar da rede de apoio que se forma para que mais e mais mulheres ocupem cargos importantes, ela evidencia pouca presença feminina em espaços de governança corporativa no Brasil. “Hoje em dia a grande maioria são homens. As mulheres se destacam nos cargos de governança corporativa nas grandes empresas apenas onde existe uma cota obrigatória, a exemplo da Suécia. Vejo o Brasil na contramão, é uma questão cultural, não de empoderamento. Cabe a nós, mulheres empoderadas, irmos avançando e ir mudando essa cultura, raízes que são profundas. Mas já existe um avanço, e é ótimo para as próximas gerações”, finaliza. 

VEJA TAMBÉM

PUBLICIDADE